quinta-feira, 25 de abril de 2013

Nunca Houve Uma Mulher Como Carmen




Olhe bem para este rosto: perfil nobre, belo, com nariz inconfundível. Uma das mulheres mais elegantes do jet set internacional. Poliglota. Conheceu reis e rainhas, príncipes e princesas. Admirada, invejada. A alta costura sempre a cobriu da cabeça aos pés. Escreveu coluna para: jornal O DIA, no Caderno Casa e Mulher, revista QUEM. Apresentou o quadro ‘Etiqueta’ no Programa de Domingo (extinta TV Manchete). Autora do livro 'ABC de Carmen', comentou e atualizou, para a América do Sul, o mais importante livro de etiqueta do mundo: O Livro Completo de Etiqueta de Amy Vanderbilt. Amada pela Harper's Bazaar, a Vogue dedicou uma edição inteira para ela, 3 vezes capa da Town & Country - única no mundo a ser tri na revista. A única brasileira citada na biografia oficial de Yves Saint Laurent e listada pela Eleanor Lambert como uma das 10 mais elegantes do mundo. CARMEN, CARMEN, CARMEN!

Esse texto é do meu amigo Jamill Barbosa Ferreira, grande admirador de Carmen Mayrink Veiga que ontem dia 24 de abril comemorou idade nova.
Carmen, grande ícone da sociedade brasileira, foi mais uma responsável por divulgar o Brasil entre nobres europeus e pessoas do jet set do globo terrestre, sempre foi uma grande anfitriã, suas festas e jantares concorridíssimos, atraíam as maiores celebridades de sua época, em meio a decoração deslumbrante, garçons enluvados, prataria devidamente polida e louças pertencentes a alguma corte arrematada em um leilão...simples assim.

Como não encontramos registros de fotos dos jantares maravilhosos que os Mayrink Veiga ofereciam nas várias residências pelo mundo, resolvemos homenagear a queridíssima Carmen com o que poderia ser hoje em dia um jantar em sua residência no Rio de Janeiro com a vista deslumbrante do Pão de Açucar.

Abaixo fotos de vários profissionais que acreditamos passariam pelo crivo da exigente Carmen Mayrink Veiga !





Não poderíamos deixar de reunir algumas frases que ao longo da vida Carmen Mayrink Veiga disse em suas entrevistas e que se tornaram famosas e muitas vezes polêmicas:

"Quando eu morrer na minha lápide terá escrito: Morreu linda e magra aos 58 anos."

"A melhor poltrona é a do avião."

"Não quero saber mais de grandes eventos, agora só petit comité."

"Na minha vida, nunca gastei dinheiro à toa só comprei o que precisava."

"A roupa de alta costura tem que ser usada mais de uma vez sim."

"Posso usar todos os meus vestidos até hoje. Tenho o mesmo peso desde 13 anos."

"Clean pra mim é banheiro, casa tem que ser enfeitada."

"Nunca me enquadrei nos termos da moda. Primeiro foi broto maravilhoso, depois grã-fina e agora essa tragédia de 'socialite'. Nem sei o que é isso."

Comentando seu relógio ao ser perguntada pelo entrevistador na revista Veja: "É um Rolex banal que todo mundo tem"

"As pessoas acham que tive uma vida folclórica – só chás, almoços, jantares e compra de roupas –, mas não foi assim"

"Ele levou seis meses pintando o quadro quando terminou, fiquei radiante. Fez os meus olhos verdes, mas eles são cor de avelã." (Sobre Cândido Portinari que pintou seu quadro)

"Toda mulher do meu meio tinha um aparelho de jantar da Companhia das Índias, ou então um Limoges, dos mais modernos"
"Não sou consumista, sou carista. É diferente !"

"O meu approach com as camadas populares é muito bom. Meu livro tem dicas para tudo e para todos, até para as emergentes"

"Rico, não é quem tem uma piscina olímpica, que pra mim não passa de um tanque! Rico, é quem tem um Van Gogh no barco!"

"Eu não uso celular, é muito jeca, o meu fica com o meu chauffeur para casos de emergência."

"Sempre trabalhei como uma negra, grátis sem ter férias nem salários."

"Não tenho medo dos excessos, prefiro ser over do que ser vista como a prima pobre."


Fonte: Internet




Postar um comentário