quinta-feira, 23 de maio de 2013


CRÔNICA DA SEMANA

Dona Dilma e o dragão de São Jorge

por Anna Ramalho
anna-ramalho-jornalista


Alçada à posição de segunda  mulher mais importante do mundo, ninguém mais segura Dona Dilma agora. Nem o Lula, que deve estar morrendo de inveja de sua criação – como sabemos todos, ele se amarra numa ribalta e quer sempre ser o primeiro em tudo. Acho ótimo nossa presidenta receber este reconhecimentourbi et orbi que forçosamente fará o deputado Eduardo Cunha baixar a crista. Nos últimos tempos, só Cunha tira  Sua Excelência do sério. Mas ela tem sabido disfarçar a irritação e fica tudo por isso mesmo, porque, apesar da vice-liderança no quesito poder mundial,Dona Dilma fica pequenininha  e frágil diante do PMDB e sua turma de peralvilhos, né, não?
Ai, Brasil ! Aqui,  onde canta o sabiá e as palmeiras balançam com a brisa, anda tudo tão previsível nessa área política! Uma oposição fraquíssima, um Estado fortíssimo, uma mãe que distribui dinheiro como se não houvesse amanhã, boatos estranhos envolvendo o Bolsa Família ( há quem jure que partiram do próprio governo com o intuito de fazer marola e intrigar a oposição), e um Congresso que, valha-nos Deus!, ninguém merece.  É tão ruim, tão desqualificado em sua maioria, que o Tiririca já é quase herói. Pelo menos não rouba ( ao que se saiba)  e não abre a boca pra dar declarações que envergonham os brasileiros de caráter como fazem tantos de seus colegas.
No rol das desgraças que vivemos, a inflação é a madrasta da hora. Essa semana quase enfartei com o quilo do pimentão vermelho: R$ 18,79. Boicotei. Vermelho, aqui em casa, agora, só o blazer predileto da Dona Dilma.  Uma semana a gente boicota o tomate, na outra o pimentão, daqui a pouco a alface... Dieta balanceada? Tá difícil. Melhor radicalizar e não comer: emagrece a gente e engorda as finanças, kakakakakakakakakakakakakaka!!
Pimentão vermelho: o vilão da hora
Tá difícil viver no Brasil.  Mais difícil ainda pensar o que será do Brasil a continuar  no passo em que estamos. Para nós, os cidadãos trabalhadores, os contribuintes, porque pra turma lá do  Planalto Central tudo continuará rico, faceiro e risonho. Sem crises. Ou sem medo de ser feliz, como prega o alto-comando do PT.
***
Obama também está metendo os pés pelas mãos. Os escândalos pipocam e ele diz que desconhecia, nega o inegável e , claro, bota a culpa na imprensa.  Onde é mesmo que a gente assiste a isso um dia sim, outro também?  Vai ver Obama contratou  LulaO Cara,  pra lhe ministrar um mídia training básico. Nosso ex e sua turma são PhD  nesse tipo de drible.
Barack Obama na escola da política brasileira
***
“Salve Jorge” foi coerente do início ao fim: uma droga. O último capítulo foi constrangedoramente ruim.
Em compensação, “Amor à vida” estreou com ação, bela direção e bons desempenhos. O destaque até o momento é o Matheus Solano, com papel que promete - além de mau como o picapau, ele é um gay enrustido.
Matheus Solano arrasa em "Amor à Vida"
Toda novela, agora, tem gay. Enrustido ou não. Como este folhetim do Walcyr Carrascotem parte importante da ação num hospital e como o espírito de  Lavoisier vive soprando ideias na cabeça dos autores de novelas, sou capaz de jurar que teremos também um casal de lésbicas, um afrodescendente e um asiático. Assim funciona a maioria dos seriados americanos e em “Grey’s Anatomy “ principalmente – seriado superpopular  e há anos no ar. Meu grupo da novela no Facebook ( que arrasa, toda noite, comentando a novela em tempo real comigo) já identificou várias semelhanças com “Grey’s”.
Ainda está muito cedo para se avaliar “Amor à Vida”, o primeiro trabalho de Walcyr Carrasco no horário nobre. Faço votos para que ele continue mandando bem. A gente merece. E São Jorge, coitado, merece também. “Salve Jorge”  conseguiu exaurir até o dragão.

Anna Ramalho é colunista do Jornal do Brasil, criadora e editora do sitewww.annaramalho.com.br e cronista sempre que pode.
Postar um comentário